Quem toma as decisões de peso na Empresa Familiar?

O Comitê Executivo da Empresa controlado pelo sr. Amapulo e família está reunido. O assunto principal da pauta é a análise de viabilidade econômico-financeira para aquisição do principal concorrente. Após a fala dos responsáveis pelas áreas financeira, comercial, produção, recursos humanos e logística, em que cada um apresentou o resultado da análise de tendências em suas respectivas áreas, a reunião é encerrada.

Sr. Amapulo e sua filha mais velha, diretora-geral, permanecem na sala trocando impressões.

Não ficaram satisfeitos com as conclusões que os funcionários apresentaram;  pretendem ouvir pessoas de seus círculos de conhecimento para  fortalecer a decisão a ser tomada.

Quais os critérios para formar um “círculo fechado” (*)  de pessoas para amadurecer decisões que requeiram uma análise mais aguçada com base em informações não só técnicas?

1. Reflita sobre quem convidar

Normalmente você convidaria pessoas com quem se sente mais confortável para essa missão. Ao invés, pense se a discussão e a decisão final serão de melhor qualidade se essa pessoa for convidada a participar.

2. “Advogados do diabo”

Nem sempre este perfil de pessoa consegue reverter a influência de um “Yes-man” (ou  “woman”) num grupo com essa missão.

3. Olhar a floresta e não só as árvores

Convide uma pessoa que tenha visão abrangente de mercado para complementar visões técnicas.

4. Seja pró-ativo em relação ao futuro do “circulo”

Pode parecer perda de tempo incluir um profissional com alto potencial de desenvolvimento, num grupo como este.  Essa participação estará desenvolvendo e preparando o profissional para, no futuro, lidar com decisões não habituais.

5.  Selecione a participação de conselheiros profissionais (“outsiders”)

Procure informações sobre a confiabilidade e, principalmente, sobre a geração de resultados com que tais profissionais tenham contribuído em outras empresas.

Para missões da natureza que tratou este “post”, pequenos grupos funcionam bem melhor.

Seguir os critérios sugeridos para formação do grupo aumentará a probabilidade de resultados eficazes pois ocorrerão discussões sinceras e será mantido sob sigilo, discrição, o tema proposto.

(*)  “Kitchen cabinet” é o nome comumente atribuído a esse grupo mais próximo ao fundador e aos negócios da família.

Fonte: Eduardo Najjar – Exame.com

Published in: on 15 de dezembro de 2011 at 17:40  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://sindhosba.wordpress.com/2011/12/15/quem-toma-as-decisoes-de-peso-na-empresa-familiar/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: