Criação coletiva: rompendo o paradigma do “perfil inovador”

Ambiente favorável e equipes heterogêneas determinam o sucesso da criatividade e inovação em equipe

Olhe para a equipe que você tem a sua volta e pense: quantas pessoas lhe parecem realmente criativas?  Poucas? Agora pense nas atividades da empresa as quais você realmente imagina que a criatividade seja uma ferramenta fundamental. Poucas também?

Um dos mitos presentes no mundo corporativo, apontados por Dorothy Leonard e Walter Swap no livro “Centelhas incandescentes: estimulando a criatividade em grupos”, é o de imaginar que a produção criativa depende, necessariamente, da atuação de poucos indivíduos e setores dentro da empresa.

Para os autores, com esforços de líderes e gestores é possível que pessoas “comuns” formem equipes potencialmente criativas, até mesmo nos setores mais burocráticos e rotineiros.
“Nem todas as organizações têm ‘pessoas criativas’ designadas oficialmente, mas com certeza existem indivíduos especialmente criativos e sua contribuição para os grupos não deve ser minimizada”, explicam os autores no livro.

Liderança criativa

Com o aumento da concorrência, a criatividade tem sido vista como a principal ferramenta estratégica para empresas que buscam agregação de valor em seus produtos e serviços. Mas para Hugo Rodrigues, da Publicis, a criatividade deve ser vista apenas como mais uma ferramenta na busca pela inovação, complementada na equipe por estudos,vontade de superar e um estado de insatisfação permanente. O executivo acumula os cargos de COO (Chief Operating Officer) e CCO (Chief Cretive Officer) para as agências Publicis Brasil, Salles Chemistri e Publicis Dialog.

“Acredito mais na disciplina para gerar resultado do que no talento. Existem mais pessoas disciplinadas, dedicadas e trabalhadoras que são vitoriosas do que pessoas que só tem talento e são vitoriosas”, diz.
O gestor lembra que as pessoas que são essencialmente geniais representam apenas 1% da população mundial e explica que a formação de suas equipes não é baseada em talentos, mas sim, no quanto ela poderá ser inovadora para as necessidades do cliente com o qual irá trabalhar.

“Existem pessoas que não são gênios, mas que tem grande capacidade criativa, e pessoas comuns, mas que com dedicação atingem resultados excelentes. Busco mesclar essas diferentes personalidades para potencializar a capacidade das equipes que administro”, explica.

Espaço para novas ideias

Assim como o trabalho com equipes multifuncionais, para Natália Batista, coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda na ESPM, é preciso que as empresas que buscam a inovação criem um ambiente favorável ao compartilhamento de ideias, baseado mais em experiências do que em simples resultados.

“A partir do momento que a cultura da empresa conta com a possibilidade do erro, cria-se um espaço de aprendizagem permanente, que convida ao surgimento de novas ideias e experimentações”, comenta.

Nesse sentido, Natália comenta que no Brasil o perfil dos líderes ainda é um grande impasse para que as empresas saiam do discurso e partam definitivamente para uma cultura de colaboração. “Ainda encontramos muitos CEOs ‘castradores’, que na busca de um ganho individual, centralizam ideias e impedem que os funcionários manifestem seus pensamentos. No Brasil, só encontramos o estímulo ao compartilhamento de ideias em multinacionais e empresas de vanguarda , como as de telefonia e telecomunicações”, afirma.

Ela defende que empresas que buscam a inovação persigam líderes com perfil de educadores, aptos a lidar com diferentes perfis e trabalhar com soluções eficazes, porém inesperadas. Já Hugo lembra ainda que é importante que as empresas aprendam a identificar onde está sua maior necessidade de inovação, antes de definir quais serão os gestores de suas equipes.

“A empresa em que trabalho tem uma veia criativa e por isso apostou em mim, um criativo, para ser líder”, exemplifica o gestor que também é redator publicitário e que no início deste ano se tornou primeiro criativo na história da marca Publicis na América Latina a assumir a gestão das três agências.

Fonte: Portal HSM

Published in: on 24 de novembro de 2011 at 16:45  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://sindhosba.wordpress.com/2011/11/24/criacao-coletiva-rompendo-o-paradigma-do-perfil-inovador/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: